11/08/2018

Grito

Sabiá voltou,
um canto diferente,
quem sabe trouxe companhia.
Desenrolei devagar
o nó da coberta,

o grito traz outro dia.

03/06/2018

sabia?


Eu te vi morrer de paixão
e renascer no outro dia
quem diria,
num colo qualquer.
Eu te vi chorar de alegria
e gargalhar nervoso
no gozo,
num sonho de mulher.
Enquanto procuravas
fugir das amarras
que imaginas ter
eu te vi, sabias?

13/02/2018

Com licença

Com licença do poeta
largo meus olhos no mar
dos náufragos
que sonham gotas
doces
e se recusam a nadar. 

Com licença do poeta
não vou navegar
nos tragos
que fazem marolas
ácidas
e ardem sem inflamar.

De novo!

Amanheci moleca
entardeci anciã
anoiteço mulher.
De novo!

14/01/2018

Romaria



Quando passava a romaria
brinquedo ficava de lado,
olho pregado nos cavaleiros
todos paramentados
com a melhor montaria.

Na carroça vinha o santo
Num andor adornado,
e cavalos muito faceiros
sem poder olhar de lado,
batendo casco na via.

As lojas baixavam portas,
as mães pediam silêncio,
os homens, chapéu no peito,
mas a gente só via 

o brilho da fantasia.

03/01/2018

mingou

o arco-íris desbotou
quando caiu n'água.
perdeu o gosto
de flor, mingou
sem pudor.

tempo

Eu canto, rio e choro.
Cada verso tem um tempo.
Das lágrimas que vêm do fundo
às rugas penduradas na testa,
são estações a cumprir
que trespassam seu sono
ébrio de coragem e medo.
Tirem-me daqui.